Os jogos de luta têm mais representação feminina hoje do que na década de 90?

Há alguns dias, a crítica de games feminista Anita Sarkeesian lançou um vídeo novo em seu canal Feminist Frequency (https://www.youtube.com/channel/UC7Edgk9RxP7Fm7vjQ1d-cDA) falando sobre a falta de variedade de representação de corpos femininos em videogames, argumentando que os homens têm uma variedade imensa de representações físicas de acordo com suas personalidades e características, mas as mulheres continuam presas ao padrão social estabelecido pela sociedade patriarcal. Eu, de cima da minha montanha de privilégios masculinos, não poderia explicar melhor do que ela, então tá aqui um link pro vídeo (em inglês): https://www.youtube.com/watch?v=qbqRtp5ZUGE

Continuar lendo

Porque Street Fighter V não vale seu dinheiro (neste momento)

Quem me conhece sabe que sou fã de jogos de luta, e, portanto, sabe que eu aguardava ansiosamente pelo lançamento de Street Fighter V em fevereiro. Pelo título deste post, provavelmente também já se deram conta de que fiquei um tanto quanto decepcionado com o lançamento.

streetv1

Continuar lendo